sexta-feira, 22 de abril de 2011

Poema de alvorada

Que no fim de tudo a sorte encontre-me dançando,
Que na noite escura derrame-se a aurora,
Gustavo Aimar
Que tão boas noites deixem-me sonhando
Com a doçura do dia em cada hora.

Que a tristeza não faça-se regra
No coração de um poeta desvalido.
Que apesar das dores que armam o coração,
Escrever sobre os amores ainda seja-nos possível.

Que o nosso céu não seja repleto de nuvens
A menos que depois abra-se um arco-íris.
Que, depois de tudo, fique em nós os perfumes
Da vida que assemelha-se à dos filmes.

Que esta canção possamos escutar
Na primeira hora do dia,
Que quando a sorte chegar
Encontre em nós a própria alegria.

Que, por fim, possamos entoar esta canção
Por tudo aquilo que em nós ainda vive.
E que no coração de todos haja versos 
Que contem-nos de tudo aquilo que não se extingue.

8 comentários:

William Garibaldi disse...

Que coisa linda Escafandrista!
Sensível, Belo e Verdadeiro!

Tenho treinado e me esforçado, para que quando a sorte chegar me encontre feliz! Que eu seja a própria alegria!

Beijos!

Florisbella disse...

Que lindo !! Este texto é seu ??? Permite que pegue "emprestado" ? rs

Beijos da Flor

Paulo Francisco disse...

Linda! Linda Canção!.
Beijos de Saudades.

valeria soares disse...

Lindo!!!!
Feliz Páscoa!

William Garibaldi disse...

Rafaelle ( lindo nome! )
Sobre a imagem do meu manuscrito lá no VF:
A foto não ficou boa, pois a câmera do celular nào é boa.. é que sou bom fotógrafo .. risoss ...dai parece que fiz efeito nela! *.*

Bjus!

Grato!

RosaMaria disse...

Baila comigo amiga :)

Beijão
ótima páscoa!

CARLA STOPA disse...

Linda a sua canção...Me faz feliz estar com vc aqui...Feliz Páscoa.

Catia Bosso disse...

Mergulhei aqui pra conhecer espaço tão requisitado... Gostei muito e vou voltar sempre....BJS!!!

Catita