domingo, 30 de janeiro de 2011

Verdades & Mentiras





"Tengo el presentimiento de que cuando hablo de mí misma, empiezo involuntariamente a mentir."
-Edith Piaf.





Coleciono mentiras. Minto com uma facilidade e uma habilidade que, às vezes, chego a eu mesma crer naquilo em que sei ser mentira. Minto sobre a forma como ajo quando vejo-te e finjo não ser a ti a quem endereço os meus versos. Minto compulsivamente sobre não importar-me com quem andas ou o que fazes. Minto da hora que acordo à hora de dormir. Minto e sinto naquilo que minto o peso das minhas próprias verdades. Elas retornam, como fantasmas que habitam uma casa. As minhas verdades, tão grandes verdades, tão impronunciáveis. Sinto-as pesando sobre as minhas costas, como se contassem a si mesmas no brilho dos meus olhos, no cheiro da minha pele, no som do meu sorriso, no movimento dos meus quadris. Coleciono as minhas pequenas mentiras, esmagadas sob o peso das minhas tão grandes verdades. E coleciono minhas mentiras como quem coleciona borboletas, como se elas pudessem fazer-se livres a qualquer momento.

12 comentários:

Paulo Francisco disse...

Caramba! Adorei.
Um beijo.

Thiago Quintella de Mattos disse...

Tais mentiras não são lá tão mentirosas. Essas coisas constituem a realidade!! EU já te sigo por cá Escafandrista! hehehe

CARLA STOPA disse...

Mentiras que se querem verdadeiras...

Cris disse...

Me tocou profundamente... amei! Bjãooo.

Van disse...

Aiii...adorei aqui desde o primeiro momento em que cheguei e quero ficar...

Escreves lindamente ! Amei o texto, amo tudo, por isso te sigo.

Grande Beijo e escreva sempre !

Cristiano Guerra disse...

Querida moça deste escafandro, estou ficando cada ve mais preocupado: não sei se esses seus mergulhos metafóricos são fantasias ou reais. Só sei que toda vez que passo por aqui, acabo indo tão profundo que fico sem ar, e é sempre um esforço enorme para emergir. Não sei se o que você escreve é sobre você ou sobre mim. Eu consigo sentir você, em cada escrito.

Maria Marluce disse...

Os poetas são fingidores, já dizia Fernando Pessoa. Na hora da produção, chega a mentir ou transformar a verdade em mentira ou vice versa. ADOREI o seu escrito poetisa.

A Escafandrista disse...

Concordo com Pessoa, muitas vezes é preciso imaginar situações, pessoas e lugares diferentes para poder escrever... mas o que não é verdade minha, pode ser a verdade de quem lê... no final, os escritos não são mais meus, são de vocês que comentam e mergulham comigo. Obrigada e abraços a todos, amigos escafandristas!

RosaMaria disse...

Diria Cazuza:

Mentiras sinceras me interessam...

Quem pode dizer que nunca mentiu pra se proteger?

Ou pra proteger alguém?

Tanto quanto uma verdade, a mentira é sim, muito necessária.

Beijos querida.

Kaiser Soze disse...

ehehehehe
a verdade é sobrevalorizada e muito menos brilhante do que se diz.É comum dizerem-nos que preferem uma verdade dura a uma mentira piedosa mas até isso é mentira.

Gabi Pardal disse...

Liberte-se escanfandrista!

Anga Mazle disse...

Uma vez Ariano Suassuna contou que seu irmão ficava indignado de ser chamado de mentiroso por todos: "Poxa, Ariano, você mente muito mais do que eu e só eu tenho fama de mentiroso."
E Ariano disse que respondeu:
"É que você, meu irmão, não sabe mentir para o bem. Eu só penso e escrevo mentiras que se tornam verdades ao tocar o coração das pessoas."

Bem, essa história pode ser só uma mentira do escritor - ou minha! -, mas não faz mal a ninguém, sendo então uma mentira verdadeira...

Beijos