quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Das minhas dúvidas

De todas as minhas cores,
Quantas são feitas do azul do céu,
Do branco das nuvens,
Quantas são feitas de sonho?
De todas as curvas do meu corpo,
De todos os traços do meu rosto,
Quantos são em forma de S,
Em forma de L, em forma de V?
De todas as minhas poesias,
De todos os meus pensamentos,
Quantos poderiam ser canção?
De todas as minhas horas, de todos os meus dias,
Quantos são realmente meus?
E as minhas luas,
E os meus sóis,
Como poderiam ser todos eu?

4 comentários:

Eduardo Myr disse...

Delícia de blog, tá anotado aqui pra eu ler sempre que puder!

Leandro Luz disse...

A eterna dúvida do talvez.
Muitas perguntas, nem sempre muitas respostas.

Adorei esse!
^^

:*

Paulo Francisco disse...

Linnnnnnnnnnnnndooooooooooo!!!!!!

valeria soares disse...

Muito bom!!!!!!!!