quarta-feira, 9 de junho de 2010

A alma do juá

Hoje a alma veio à casa,
Veio de visita,
Pôs-se a entrar.
Hoje a alma veio à casa com seus passos,
Coisas de arrepiar.

Dizem as crianças que a viram
Toda de vestido no quintal,
Estava sentada sob a árvore
Que era do falecido general.

Não falou com ninguém,
Apenas pôs-se a passar
Deixando um frio na casa
Da velha viúva do Joá.

2 comentários:

Marcello disse...

Poesia sobrenatural com o olhar das crianças.
Gostei.

D. F. C. disse...

A gente se assombra com o ar gélico dos nosso fantasmas. Se estão na gente ou não, isso é mero detalhe.
Sei que para vê-los é preciso usar olhos de crianças.