segunda-feira, 19 de abril de 2010

Fogo e vento

Ardem os corações dos homens.
Arde sobre a pele aquilo que
Nem água, nem frio, nem tempo apaga.
Arde sobre a pele e sob o peito.
Arde e bate,
Quente, Humano, Divino e Carnal.
Ardem os corações dos homens,
Arde o peito, arde a pele,
Os olhos brilham, a boca arde
O coração bate,
Bate o sino, passam as horas,
Tudo queima e semeia
Mais e mais
E queima, e passa, e semeia, e bate...
E arde.. arrrrrrrrr...

5 comentários:

Anderson Dias, Ander, Andermaster disse...

Tudo que arde traz consigo comixão, não há motivação maior que nos faz sair do chão.

Tudo que arde, ora tem ódio, ora tem paixão.

Lindo texto e é bom passar por aqui!

Paz linda!

Rafaelle Costa disse...

Poesia da poesia, gostei ;)

Anderson Dias, Ander, Andermaster disse...

Tu inspira-me!

bjos! ;)

Ben-Hur Bernard, B. Bernard, Ben-Hur Bernard Pereira Costa (oficial), Biú (para as minhas crianças), Ben (para os amigos), BHB (para Aline Lemos) disse...

O velho dilema do curto, mais intenso. Vida curta, mas bem vivida.

Gostei do titulo. Não sei se era intenção, mas vento em brasa reaviva o fogo!

Parabéns!

Flor com Espinhos disse...

td q arde é porque mexe...afeta.