domingo, 18 de dezembro de 2011

Mulher do mar

A escafandrista

Quem pode prever
E dizer que a vida
Não será aquilo que se quer?


Quem pode compreender
E dizer dos segredos
Sob os cabelos dessa mulher?


E a força contida na trança
Que prende e, quando bem entende,
Arranca do peito o mal-me-quer.


Quem pode contar no tempo
As voltas que a vida dá?
E querer dizer-se amada,
E querer voltar a amar?


E quem vê a alegria
No olhar de criança,
Que não se vê sob a trança
De uma mulher do mar.

9 comentários:

Liza Leal disse...

Gostei do toque de esperança junto a imagem da trança.

Dsde já desejo Um Natal abençoado a ti, menina Escaf!...

bjo
=)

ACONTECE disse...

Sempre inspirada... Belas palavras, sua poesia é delicada e doce... Adoro!!!

O Profeta disse...

Amei, amo a beleza
Tropecei muita vez na incerteza
Transformei miséria em realeza
Ri de contente e de tristeza

Ri para os olhos que me deram amor
Ri para o mar onde pesquei ilusões
Ri em cada partida e chegada
Que fiz numa vida de contradições

Procurei o segredo da verdade feliz
Percorri o caminho do vento cheio de ardor
Uma gaivota entregou-me uma concha cheia de mar
Era…O Elixir do Amor…

Um mágico Natal

Abraço-te

Sandrio cândido. disse...

lembrou-me a adelia prado neste poema
gostei do ritmo e da imagem do mar com a mulher fundindo-se
abraços

Mimimi disse...

E quem pode responder essas perguntas?

Bjs

Marcelo R. Rezende disse...

Que mulher gostosa, parece uma das mulheres danadas de Jorge Amado.
Amei.

Beijão.

Thiago Domingues disse...

Uma sonoridade tão marcante quanto a leveza das palavras.
Tenho gostado muito dos seus escritos!
\o/

Nilson Barcelli disse...

Gostei do poema.
E da trança...
Beijos.

Breno Callegari Freitas disse...

Nossa... lindas imagens. Palavras suaves muito bem encaixadas, não sei se foi proposital mas percebe-se uma boa métrica (irregular mas encantadora). Não sou muito de me encantar com terminações abertas, mas gostei das palavras utilizadas e o ritimo da leitura colabora para ser tão perfeitinha! Bjos