sexta-feira, 31 de julho de 2009

Véus

Rasgando o véu do silêncio
O sentimento rompe a noite triste
Que perdure então a cor púrpura nos teus olhos
Eu não quero deixar-te jamais
Eu vi-te atravessar os espelhos d´água
Eu vi-te atravessar as horas
Eu vi-te e isso foi-me o bastante
Rasgando o véu do silêncio, dos medos, das horas
O coração transforma-se
Eu ousei ver-te
Eu ousei inventar-te
Que perdure então a cor dos teus espelhos nos meus olhos
Pois eu ousei abrigar-te em minh´alma
Repousa, bebe e ostenta sobre todos os véus
Eu ouso amar-te.

2 comentários:

Ander disse...

muito bom, curti seu escrito.

Escreves muito beeeem!

=D

Bjos!

Ander disse...

Se importa se eu linkar seu blog no meu?