sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Às margens de mim

Poesia a F. T. G.


Sobra uma parte de mim em qualquer canto
em que me esqueço, no abraço em que me perco,
Sobra um pedaço meu que desconheço, um pedaço mais teu que meu.
Há um pedaço que você levou
Quando partiu de mim,
Um pedaço que eu queria resgatar
Uma parte de mim 
Está contigo em qualquer lugar.
Ah, se eu pudesse te reconhecer dentre outros tantos mil
E te prender, e te reter
E reaver
Um pedaço mais que meu,
Um pedaço teu
Do meu coração que se foi daqui.
Vivo em busca do eu
que ficou às margens de mim.

7 comentários:

Paulo Francisco de Araujo disse...

Bom! muito bom!!!!!
Geralmente não vale a pena resgatar.
Um beijo grande

Franck disse...

As metades... as buscas... os pedaços... Ando assim, estou assim...
Bjs!

Dias, Anderson disse...

Lindo texto, porém sei que a tristeza nele está contido.

Bjos moça!!!

Marcelo R. Rezende disse...

Essa é uma dúvida que me atormenta: o que é correto, deixar-nos por aí ou nos recolhermos depois de feito o contato?

Tenho lá minhas reticências.

Liza Leal disse...

Sempre fica um pouco de nós por aí..
Saudades daqui.

bjo, menina Escaf!..
=)

Fred Caju disse...

À margem ou ao centro, siga.

O Profeta disse...

São mudas as neblinas nesta ilha
É de pobreza o pão que alimenta o meu sentir
Oiço o mar com os meus próprios dedos
Parti do desencontro dos meus derradeiros medos

Parti e deixei no cais mil dúvidas
Lembrei tempos que corri feliz pelas amoras
Nesses dias bebi sofregamente a vida
Nesses dias a minha alegria era incontida

Uma radiosa semana


Doce beijo