terça-feira, 24 de julho de 2012

Equilibrando emoções

Imagem da web

Nem sempre se ganha.
Então a gente segue na vida
Um pé na frente do outro,
A gente lambe a ferida
E finge que tudo passou.
E finge que não doeu tanto assim.
A gente aguenta o "não"
Até achar o "sim".
E vive equilibrando emoções
Na corda bamba das paixões
Que insistem em atormentar.
A gente joga de novo
Coração palhaço de circo
No meio do picadeiro
Para ser vaiado ou aplaudido
Inteiro ou partido
E cada um segue a vida,
Ganhando ou perdendo,
Sabendo que cada um
É quem sabe de si,
A gente aguenta o "não"
Até achar o "sim".

9 comentários:

Cristiano Marcell disse...

Belo, minha cara! Meus parabéns!

Liza Leal disse...

É assim, de peito aberto.. ainda q ferido, q a vida acontece.

bjim, menina!
=)
saudads daqui

Cris disse...

Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar
Elis Regina. ;*

Thales disse...

A alma humana tem dificuldade com o nao,né? Parece destruir o ser da gente... Ficou linda a poesia

Nilson Barcelli disse...

Toda a gente exige que sejamos equilibrados...
Magnífico poema, gostei imenso.
Beijo, querida amiga.

Marcelo R. Rezende disse...

Sabe o que eu achei? Lindo.
Parecia um daqueles poemas humildes, que cumprem o seu papel. Bem escritos, com as rimas no lugar e certa beleza. Mas terminando e lendo uma segunda vez, que esse tipo de poema a gente come feito fruto, com vontade, vi que é um caso de poema definitivo.

Você é ótima e o seu poema me ganhou <3

RosaMaria disse...

O ‘não’ é uma coisa garantida nessa vida que temos. O ‘sim’ é uma dádiva. Mas infelizmente precisamos cair infinitas vezes para darmos valor correto a essa dádiva.
Te gosto muito. Se cuida. Um beijo grande.

Leo disse...

Os nãos são muitos, poucos os sins, mas que sejam belos!

Paulo Francisco disse...

Sim, sim, sim, Simmmmmmmmmm
Lindo! Adorei o ritmo.
Um beijo garnde.