sexta-feira, 8 de maio de 2009

Arqueologia do ser

A busca.
Incessante, ansiosa, cuidadosa.
A busca, a busca.
À palavra, à língua, à boca,
A tudo antepõe-se a busca.
O passo, o traço, o percalço,
O cheiro, o beijo, o lampejo,
As palavras mortas dos livros que leio
Antes é tudo busca.
Às horas, aos dias, às massas,
À própria morte, anterior é, a única e eterna busca.

Um comentário:

Flor com Espinhos disse...

é o que move...movimenta..dinamiza...o desejo...a eterna busca...andei lendo seus 3 blogss e gosto dos teus escritos...são leves...sinto q tu escreve levemente, livremente...